Pandemia ameaça criar ‘geração perdida’ de jovens, expondo-os a empregos precários, segundo OIT e OCDE

A crise econômica global já em curso por conta da pandemia do novo coronavírus está afetando principalmente os mais jovens — recém-entrados no mercado de trabalho ou prestes a entrar nele —, possivelmente deixando cicatrizes mais profundas até do que a crise financeira de 2008. O diagnóstico é feito pelo economista Stefano Scarpetta, chefe da divisão de emprego, trabalho e assuntos sociais da OCDE, a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (órgão também conhecido como “clube dos ricos” e ao qual o Brasil aspira entrar).

A avaliação da OCDE é reforçada por dados recém-divulgados pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), que estima que 1 em cada 5 jovens do mundo tenha tido que parar de trabalhar por culpa da pandemia.

Os que conseguiram se manter empregados tiveram sua jornada reduzida, em média, em 23%.

“A pandemia está impondo um choque triplo nos jovens”, afirma o relatório da OIT. “Não apenas ela está destruindo seus empregos, mas também interrompendo sua educação e treinamento e colocando enormes obstáculos no caminho dos que estão tentando entrar no mercado de trabalho ou trocar de emprego.”

Em entrevista à BBC News Brasil, Scarpetta, da OCDE, diz que existe o risco de se criar uma “geração perdida” de jovens profissionais, cujos efeitos podem ser sentidos ao longo de muitos anos, caso não haja intervenções positivas de governos e empresas.nullTalvez também te interes

0 comentários ↓

Não existe comentários ainda...que tal deixar sua opinião ??

Deixe um comentário