Pessoas que já tiveram dengue têm duas vezes mais chance de desenvolver a forma sintomática da covid, diz pesquisa

Estudo divulgado pela revista Clinical Infectious Diseases sugere que as pessoas que já tiveram dengue no passado são duas vezes mais propensas a desenvolver sintomas da covid caso sejam infectadas. As conclusões descritas no artigo se baseiam na análise de amostras sanguíneas de 1.285 moradores da cidade de Mâncio Lima, no Acre. O trabalho foi coordenado pelo professor da Universidade de São Paulo (USP) Marcelo Urbano Ferreira e contou com apoio da Fapesp.

“Nossos resultados evidenciam que as populações mais expostas à dengue, talvez por fatores sociodemográficos, são justamente as que correm mais risco de adoecer caso sejam infectadas pelo coronavírus. Este é um exemplo do que tem sido chamado de sindemia [interação sinérgica entre duas doenças de modo que uma agrava os efeitos da outra]: por um lado, a covid tem atrapalhado os esforços de controle da dengue; por outro, a dengue parece aumentar o risco para quem contrai o vírus”, diz Ferreira à Agência Fapesp.