Com ajuda da CPI, juristas denunciam Bolsonaro à Corte de Haia

Com conclusões da CPI da COVID-19, a Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) apresentou uma nova denúncia contra o presidente Jair Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional, em Haia. Na denúncia entregue ao procurador da corte, os juristas alegam que o presidente cometeu “crime de extermínio contra a população brasileira”.

Uma primeira denúncia já havia sido apresentada em abril de 2020 pela entidade. Mas o processo não caminhou e o caso for arquivado. Agora, os juristas querem que o presidente seja investigado e denunciado por “crimes contra a humanidade” contra a população brasileira ao “assumir a opção de imunidade de rebanho, com boicote ao programa de vacinação e negação das políticas de cuidados sanitários”.

“De acordo com os juristas, a sistematização de dados produzidos pela CPI da Pandemia e por vários pesquisadores revelam o empenho e a eficiência da atuação do presidente e da União em prol da ampla disseminação do vírus no território nacional”, diz a entidade.